quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Yves Rossi, o piloto É o avião.

Em um dos mais incríveis feitos da aviação moderna, o piloto suiço Yves Rossy atravessou o canal da mancha com seu dispositivo acoplado as costas, abrindo uma nova era de possibilidades para os amantes do vôo.
Ex piloto militar, paraquedista renomado, piloto da Swiss Air e amante do vôo, Rossy já havia apresentado ao público seu aparelho, ao realizar o primeiro vôo documentado dessa espécie no dia 14 de maio de 2008. Usando asas dobráveis de fibra de carbono com quatro turbinas embutidas, Yves pilotara sobre os alpes suiços realizando uma série de manobras ousadas, com loopings e parafusos invertidos, experiência que nomeu como "espetacular". Mas fora só isso, uma demonstração.
Dessa vez Rossy estava disposto a quebrar um novo recorde e colocar seu nome na galeria dos imortais da aviação. Seu objetivo era atravessar os 36 quilômetros do canal da mancha, que separa a França da Inglaterra numa velocidade média de 200 km por hora. A data seria o dia 25 de setembro de 2008, mas foi adiada para o dia seguinte, uma sexta-feira, devido a intempéries climáticas. O ponto da travessia tem sido cenário de muitas aventuras aéreas desde que o francês Louis Blériot se tornou o primeiro homem a cruzar o canal da mancha de avião, quase 100 anos atrás. É de Calais, de uma praia que hoje leva o nome de Blériot, que um novo herói parte para fazer história. A aventura começou com o piloto suíço sendo transportado por um avião que sobrevoou Calais, tendo suas asas presas às costas e dobradas sobre si mesmas. Yves tinha a possibilidade de soltar-se das asas e usar um paraquedas caso algo desse errado. Ele saltou do aparelho quando se encontrava a 2500 metros de altitude. Depois de alguns segundos de queda, o aparelho estendeu as asas, as turbinas ligaram e Yves conseguiu realizar a façanha diante de centenas de jornalistas, fotógrafos e curiosos. A travessia durou cerca de 15 minutos, tendo o piloto pousado em Dover, 200 metros distante do local planejado. Sorridente, Yves festeja sob os aplausos eufóricos da multidão.


Um repórter perguntou a Yves Rossy se quando ele pulou do avião, quanto do que sentia era medo, quanto de entusiasmo, quanto de felicidade. Ele respondeu que estava tenso, mas, de medo, nada. Um pouco de tensão e uma mistura de euforia. Depois de tanto tempo de preparação, o momento chegou. É uma mistura de realidade e um mundo paralelo, tudo passa pela sua cabeça mas você está muito concentrado. Mas sem medo.
Como ele pensa agora que seu nome será lembrado? Junto a heróis como Santos Dumont e Blériot? "Só um pouquinho, porque esses foram os grandes caras. Tantos deles deram suas vidas para explorar a aviação... Eu conto com computadores e sempre tenho um plano B. Se alguma coisa vai mal, eu jogo fora minhas asas e tenho uma equipe de resgate para me salvar."
No céu, Yves lembra muito um herói da animação. Antes que ele se vá, mais uma pergunta: "Você se sente como um Buzz Lightyear?"
"Um pouco", diz o novo ás da aviação. Que, ao cruzar 36 quilômetros, quebrou mais um limite para a espécie humana. Mantendo nossa sensação de que podemos, sim, ir ao infinito... E além.













Blog JetMan sobre Yves Rossy: http://www.jetmanblog.com/
Veja vídeos de Yves Rossy no youtube clicando nos links:

Nenhum comentário:

Postar um comentário