sexta-feira, 29 de setembro de 2006

Vôo JJ 3054: Um país em luto.

Os eventos do dia 17 de julho de 2007 ficarão para sempre gravados na lembrança triste de uma tragédia acontecida com uma avião da TAM em São Paulo. O maior desastre de avião da américa latina sempre será lembrado pelas cores fortes do fogo estampadas nos meios de comunicação e pelas lágrimas incontidas dos familiares angustiados no aeroporto Salgado Filho em Porto Alegre.



Histórico:
A aeronave Airbus A320 da TAM, vôo JJ 3054, saiu do Aeroporto Internacional Salgado Filho em Porto Alegre às 17h16 com destino ao Aeroporto Internacional de Congonhas em São Paulo. Já era noite quando a aeronave pousou na pista 35L às 18h51. Com dificuldades de frenagem, fez uma curva para esquerda e saiu da pista em seu terço final, percorrendo por sobre parte de um gramado. Após cruzar sobrevoando a avenida Washington Luís, a aeronave atingiu parte da cobertura de um posto de gasolina e em seguida chocou-se contra um prédio da TAM Express (serviço de carga da própria TAM) situado ao lado do posto. Ao cruzar a avenida Washington Luís, o avião atingiu a parte superior de alguns automóveis.
O choque do avião com o prédio de quatro andares da TAM Express, localizado próximo à alça de acesso da avenida dos Bandeirantes, causou um grande incêndio no local. O incêndio comprometeu toda a estrutura do prédio, que foi implodido posteriormente. No local, foi construído um memorial em homenagem às vítimas do acidente.
No dia seguinte do acidente, a TAM alterou o número do vôo que faz a rota entre Porto Alegre e São Paulo. Deixando de identificar como JJ 3054 e passando a ser identificada pela sigla JJ 3106. Entre as vítimas do acidente estão as pessoas que tripulavam a aeronave, pessoas que trabalhavam no prédio da TAM Express e um taxista que estava no posto de gasolina ao lado. Muitas pessoas que passavam de carro ou a pé na avenida Washington Luis no momento da queda não sofreram lesões graves, pois o avião passou sobre a avenida. Nenhum funcionário do posto de gasolina se feriu.




Mortes:

Todas as 187 pessoas que estavam no avião morreram na colisão com o prédio. Onze pessoas que trabalhavam no prédio da TAM Express e um taxista que estava no posto de gasolina ao lado morreram na colisão. O número total de vítimas fatais foi confirmado em 199 pessoas.
Entre diversos empresários e dirigentes de empresas, estavam presentes no vôo o deputado federal Júlio Redecker, do PSDB do Rio Grande do Sul, o ex-presidente do Sport Club Internacional Paulo Rogério Amoretty Souza e o diretor da regional gaúcha do SBT João Roberto Brito.


É certo que a temperatura no local do acidente, em decorrência do incêndio, chegou aos dois mil graus Celsius, ponto de fusão do material titânio, que foi encontrados fundido entre os escombros. O IML está realizou exames (ADN (DNA), arcada dentária e impressão digital) para identificar as vítimas fatais, além da identificação feita por parentes das vítimas. Em 16 de setembro, o IML comunicou oficialmente aos familiares das quatro vítimas não identificadas que não foram localizados fragmentos dos mesmos em todo o material analisado, dando assim por concluido o trabalho de identificação das vítimas da tragédia. No total, foram 199 vítimas fatais, fazendo desse o pior acidente ocorrido no Brasil em todos os tempos e o mais grave da América latina.
Após meses de investigação as conclusões a que se chegaram apontaram a falha mecânica de um dos reversores das turbinas como a causa oficial do acidente. A transcrição da caixa preta no momento do acidente revela o tenso diálogo dos pilotos Kleyber Lima e Henrique Stephanini di Sacco:

Cabine: "Checando condições da pista".
Torre: "Está molhada e ainda escorregadia. Autorizado para pousar".
Cabine: "o pouso está liberado? Pouso verde, som manual".
Torre: "Liberado".
Som do avião tocando o solo.
Co-piloto: "Reverso número um apenas"
Três segundos depois o aviso:
Co-Piloto: "Spoilers nada".
Piloto: "Ai!"
piloto: "Olha isso!!!"
Co-piloto: "Desacelera!, desacerela!"
Seis segundos depois vem a resposta:
Piloto: "Não dá, não dá!"
Co-piloto: "Ai meu Deus, ai meu Deus!"
Co-piloto: "Vai!, vai!, vai!, vira!, vira!"

Nesse momento há som de gritos e ouve-se vozes femininas ao fundo gritando fortemente. Há um barulho de batida em seguida. Nisso o som da caixa preta acaba. Foi o momento da explosão. 199 pessoas morreram na tragédia.

A TAM se esforçou por prestar todo o auxílio necessário aos familiares das vítimas, e a direção do aeroporto de congonhas foi duramente criticada devido ao fato de nas reformas do local ter se preocupado com o embelezamento do saguão ao passo que deixou de lado detalhes importantes como o grooving (ranhuras) na pista, o que poderia ter evitado o acidente, ajudando o avião a freiar. O episódio foi lamentado por muito tempo, e familiares realizaram exaustivas manifestações nos aeroportos de São Paulo e Porto Alegre. O Brasil possivelmente se recuperará do susto, mas as vidas dessas pessoas já não podem ser devolvidas. Infelizmente a aviação também tem seus percalços, como tudo na vida. Na verdade, a própria vida é efêmera, e não é preciso estar dentro de um avião para perceber isso.
Fotos:


Avião da TAM sobrevoa o local do acidente no dia seguinte ao sinistro.



Guindastes removem escombros.


Bombeiros trabalham na remoção dos corpos.


Restos da turbina que provavelmente causou o acidente.

O prédio da TAM Express após o desastre. Ao fim da perícia, o local foi implodido e um memorial erguido em seu lugar.

Fontes de pesquisa:
http://pt.wikipedia.org/wiki/V%C3%B4o_TAM_3054
http://holococos.sjdr.com.br/wp-content/uploads/2007/07/local_acidente_tam.jpg

Veja a Lista de vítimas do acidente do vôo JJ 3054 clicando aqui.

Um comentário: